Do you speak English? | Parlais vous Français?

Plufff, desapareceu. E agora?

Desde que fui mãe, conheci n mães, umas mais, outras menos, experientes do que eu - e isto, apesar de parecer estranho, é independente no número de filhos.

Muitas delas são idealistas, ou baseiam-se em alguma ideologia para alicerçar a sua identidade materna - e de mulher -  outras, procuram, na teoria, a melhor forma de criar o mais perfeito ser humano possível.

Poucas, vão experimentando o que mais sentido lhes faz de forma a gerir  o quotidiano com tranquilidade e alegria. 

Destas últimas, nenhuma pode dizer que não tenha caído - varias vezes - na armadilha da preocupação, comparação, expectativa, nem que jamais se tenha dedicado à inútil analise de cusalidade do tipo " nasceu assim vai ser assado", " "come - ou não come - disto vai ser aquilo", "depende agora para ser independente depois", "é mais ou menos x ou y do que o filho da Maria da esquina porque eu fiz/sou/dou desta e daquela maneira e ela não" ... e por aí a fora.

 Isto leva, quase sempre, a um angustiado " ohhh coitadinha de mim e da minha prole" ou a um soberbo " ohhh coitadinhos de todos eles, que boa que eu sou".

Vezes há em que o " que boa que eu sou" se disfarça de "que maus são todos eles/elas".

Há medida que o puerpério vai passando, arreigam-se as certezas, as diferenças, consolidam-se os conhecimentos teóricos, desperdiçam-se milhares de minutos em quezílias, leituras, visionamento de filmes, encontros de pares e tantas outras actividades sobre as nossas crianças que pouco mais fazem do que afastar-nos das nossas crianças.

Um dia, e esse dia chega sempre, a criança que nasceu de parto perfeito, foi ao medico "assim", foi amamentado, fraldado, adormecido, alimentado "assado", acorda e diz "EU SOU", " EU QUERO" e a mãe percebe que aquele bebé perfeito - fruto da mãe perfeita - plufff, desapareceu!

Ficam "apenas" dois seres humanos perfeitos na sua imperfeição, como todos os outros, independentemente da forma como nasceram, mamaram, comeram, dormiram...

E, aqui começam os verdadeiros desafios:

Que relação se construiu com a criança?

Que díade formamos - com cada um dos nossos filhos - quando nos despimos de teorias, certezas, expectativas e quezílias com o mundo?

Estamos preparadas para ser mãe da criança real, a que está aqui e agora?

Tenho encontrado várias mães frustradas, mergulhadas na incompreenção pois o bebé que "nasceu na Índia, num parto sublime, agora nem sequer mama" ou o bebé que "Mamou em livre demanda, dormiu sempre com a mãe... chega aos 3 anos e recusa ir para a escolinha"... não foi para isto que se esforçaram  tanto pois tão?

Tanto investimento num parto na água, tanta guerra com o "sistema" contra as vacinas, contra o açucar, os berços e os gadgets, tanta dor de costas do sling e pano não deviam ter como resultado um filho mais seguro, saudável, dócil, educado e independente do que os outros?

Racionalmente responderás que "não, claro que não" mas, desafio-te a olhares mais fundo e tentares descobrir que sentimento ou sentimentos, que medos, culpas, inseguranças podem estar a ser o verdadeiro combustível das tuas práticas? O que necessitas provar e a quem? Contra quem lutas? Por que lugar na organização social e familiar te sacrificas? Que vazio veio preencher esse filho ou filhos?

Só respondendo a estas - e outras - questões, com honestidade, podemos criar com amor em vez de criar com sacrifício.

O sacrifício é independente da criança que temos nos braços, é um modo de vida a que nos agarramos - sem perceber - que nos permite sentir valiosas e úteis, que nos conferem o lugar de boa mãe, boa esposa, boa filha, boa mulher. 

Se há uma mártir - a que se sacrifica - há um carrasco. Quando nos mantemos no sacrifício não podemos ter como expectativa um ser humano equilibrado pois estamos a criar  um carrasco. 

Há quem veja o carrasco estampado no rosto do recém nascido que não mama, no bebé que morde a mãe, na criança pequena que grita sem razão, no menino ou menina mal educado e agressivo, no pré-adolescente indecifrável e problemático ou que rejeita a identidade da mãe, as suas crenças e práticas.

A criança sente a nossa ambivalência, o nosso martírio e sacrifício não expresso e sacode-nos até que o possamos ver ou até que a relação parental expluda, libertando-nos do sacrifício.

O teu carrasco, onde está?

7 comments:

  1. Gosto mesmo mesmo muito deste texto. sinto que tenho levado uma eternidade a libertar-me deste sentimento de sacrifício, ou a busca das soluções perfeitas, e tantas vezes "o " que boa que eu sou" se disfarça de "que maus são todos eles/elas"", e de tantas estratégias que no fim não nos aproximam, a mim e ele. Tem sido muito do que te leio a aproximar-me do "experimentando o que mais sentido lhes faz de forma a gerir o quotidiano com tranquilidade e alegria", ainda que só pensando em mim à meio ano, um ano, é que perceba como estou diferente. Mas disto estou.te eternamente grata.

    ReplyDelete
  2. Bem, acho este texto tão mal escrito que nem sei bem por onde comentar. Que péssimo exemplo para mães e pais lerem, basicamente o que dizes é que não vale a pena esforçarmos-nos nem lermos livros, vamos todos só parir os filhos e não investir nenhuma energia emocional neles. Comparar um recém-nascido a um carrasco?! Tens a certeza que és mãe? Muito mau, não concordo em absoluto e acho que todo o blog transmite um pessimismo extremo, uma pessoa até fica deprimida depois de vir aqui. Inês

    ReplyDelete
  3. Olá Inês, que bom que alertas para a importância do investimento emocional. É só memo o investimento emocional que importa, com ele chegam todas as práticas "corretas" tanto para a mãe como para o bebé. O que tantas vezes acontece é que a teoria, a necessidade de fazer tão bem como a mãe x ou melhor do que a mãe y dominam-nos e perdemos de vista a criança.
    Por favor, mamtem-te afastada do blog, temos a possibilidade de só ler e comentar o que nos transmite paz e felicidade, já viste que sorte a nossa? :)

    ReplyDelete
  4. Alexandra,

    Estes dois links ajudaram-me muito:
    http://sandradodd.com/choice

    ReplyDelete
  5. E este sandradodd.com/haveto

    O ano passado, a Sandra Dodd lançou o desafio de escrevermos e oensarmis sobre a mulher mártir. O Natal é uma boa altura para observar as mulheres da família e perceber de onde nos vem a tendência para o sacrifício :)

    ReplyDelete
  6. Bem vinda a esta casinha, Carla. É sempre bom saber-te por cá, tantos anos depois :)

    Acima esqueci do link para a pintora. Aqui fica

    ReplyDelete